Seu “estilo de vida” também foi projetado – A real razão para as quarenta horas semanais de trabalho

estilo de vida programado - 2

Bem, estou no “mundo do trabalho” novamente.  Eu me encontrava em um trabalho bem remunerado no setor da engenharia, e a vida finalmente parece estar voltando ao normal após meus nove meses de viagens.

Por conta de eu ter vivido um estilo de vida um pouco diferente  enquanto eu estava fora, nesta súbita transição para a existência 9×5 (Horas x Dias)  foi-me exposto algo sobre ela que eu ignorava antes.

Desde o momento em que o trabalho foi oferecido, eu tenho sido nitidamente menos cuidadoso com meu dinheiro. Não estúpido, apenas um pouco rápido para tirar da minha carteira. Um pequeno exemplo, eu estou comprando cafés mais caros de novo, mesmo sabendo que eles não são nem de perto tão bons quanto aqueles dos excepcionais “flats whites” da Nova Zelândia, e não chego a experiência de bebê-los em um pátio-caté ensolarado. Quando eu estva fora essas compras eram menos regradas, e eu as aproveitava mais.

Eu não estou falando sobre grandes ou extravagantes compras. Estou falando sobre uma escala pequena, casual, de gastos “promíscuos”  em coisas que realmente não agregam muito para a minha vida.  (?) E atualmente não vou receber pagamento por outras duas semanas.

Em retrospectiva, eu acho que sempre fiz isto quando estava bem empregado – gastando alegremente durante meus “bons tempos”(?). Tendo estado nove meses vivendo um estilo de vida sem o pagamento garantido, eu não pude ajudar mas estar um pouco mais consciente de que este fenômeno acontece.

Suponho que fiz isso por eu sento que eu readquiri uma certa estatra, agora que eu sou novamente um profissional muito bem remunerado, que parece me dar o direito a um certo nível de desperdício.Há uma curiosa sensação de poder que você tem quando deixa cair um par de vinte anos sem um traço de pensamento crítico. É uma sensação boa exercer aquele poder do dinheiro quando você sabe que ele irá “voltar a crescer” muito rapidamente de qualquer maneira. O que estou fazendo não é de todo incomum. Todos parecem fazer isso. De fato, eu pendo que eu só retornei para a “mentalidade de consumidor normal” após ter ficado um tempo longe dela.
Uma das maiores surpreendentes descobertas que eu fiz durante minha viagem foi que eu gastei muito menos dinheiro por mês viajando no exterior (incluindo países mais caros que o Canadá), do que quando  eu era um trabalhador regular com sua vida casa-trabalho. Eu tive muito mais tempo livre, eu visitei alguns dos mais lindos lugares do mundo, eu encontrei novas pessoas por todos os lados, eu estive calmo, em paz e de qualquer forma tendo momentos inesquecíveis, e de algum modo isso me custou muito menos do que meu humilde estilo de vida 9×5, aqui numa das cidades mais caras do Canadá.

Parece que consegui obter muito mais do meu dinheiro quando eu estava viajando. Por que?

A CULTURA DO DESNECESSÁRIO

Aqui no Ocidente, o estilo de vida do Gasto Desnecessário tem sido deliberadamente cultivado e alimentado em público pelas grandes empresas. Empresas de todos os tipos de indústrias tem apostado alto na tendência do público ser descuidado com seu dinheiro. Eles procuram encorajar o hábito do públicco no gasto casual e no gasto não-essencial, sempre que eles podem.

No documentário “A Corporação” (The Corporation), uma psicóloga de marketing discutiu um dos métodos que ela usou para aumentar as vendas. Sua equipe realizou um estudo sobre qual efeito que uma criança irritante tem sobre a probabilidade de seus pais comprarem um brinquedo para elas. Ela notou que entre 20% a 40% das compras dos seus brinquedos poderiam não ter ocorrido se as crianças não aborrecessem seus pais. Um em cada quatro visitas a parques temáticos poderiam não ter ocorrido. Eles usaram estes estudos para vender seus produtos diretamente para as crianças, encorajando-as a irritar seus pais para eles comprarem.

Esta campanha de mercado por si só representa muitos milhões de dólares que foram gastos por conta da demanda que foi completamente fabricada / manipulada.

“Você pode manipular os consumidores em querer, e consequentemente em comprar, seus produtos. É um jogo. “ – Lucy Hughes, co-criados de “O Fator Irritação” (The Nag Factor).

Este é somente um pequeno exempo do que tem sido feito há muito tempo. Grande companhias não fazem seus milhões em função de promover as virtudes de seus produtos, eles fizeram isso criando a cultuda de centenas de milhoes de pessoas que compram mais do que eles precisam e tentam afastar sua insatisfação com dinheiro.

Nós compramos coisas para nos animar, para nos manter com os “Joneses”(?), para preencher nossa visão de infância sobre como deveria ser nossa fase adulta, para mostrar nosso “status” para o mundo ,e por outras tantas outras razões psicológicas que tem muito pouco a ver com o quão útil aquele produto realmente é.

Quanto de produtos estão em seus armários, porão ou garagem que você não utilizou no último ano?

A REAL RAZÃO DAS 40 HORAS SEMANAIS DE TRABALHO

A grande ferramenta das corporações para sustentar uma cultura deste tipo foi desenvolver as 40 horas semanais de trabalho como sendo um estilo de vida normal. Sob estas condições de trabalho as pessoas tem que construir sua vida nas noites e nos finais de semana. Esta combinação nos faz naturalmente mais inclinados a gastar pesadamente em entretenimento (diversão) e em conveniências pois nosso tempo livre é muito escasso.

Faz apenas alguns dias que eu voltei a trabalhar, mas já estou notando que muitas das atividades saudádeis estão sendo rapidamente descartadas da minha vida, como: caminhar, exercitar, ler, meditar e tempo extra para escrever.

A mais conspícua (notória) similaridade entre estas atividades é que elas custam pouco ou nenhum dinheiro, mas elas requerem tempo.

Repentinamente eu tenho muito mais de dinheiro e muito menos de tempo, o que significa que eu tenho muito mais em comum com o típico trabalhador “Norte Americano” do que eu tinha há poucos meses.  Enquanto eu estava fora eu não tinha que pensar suas vezes sobre passar o dia vagando por um parque nacional ou lendo meu livro na praia por algumas horas. Agora aquele tipo de coisa soa como fora de questão. Fazendo qualquer um poderia levar mais do que um dos meus preciosos dias  de final de semana.

A última coisa que eu quero fazer quando eu chego em casa, após o trabalho, é exercícios. É também a última coisa que eu quero fazer após jantar ou antes de dormir, ou logo depois de acordar. E este é realmente todo o tempo que eu tenho em um dia da semana.

Isto parece como um problema simples de responder: trabalhe menos e então terei mais tempo livre. Eu já provei para mim que eu posso viver um estilo de vida satisfatório com menos que eu tenho agora.  Infelizmente, isto é quase que impossível na área que trabalho, e na maioria das outras. Você trabalha 40 ou mais horas ou você trabalha zero! Meus clientes e empreiteiros são todos muito presos na cultuda do “dia de trabalho diário padrão”, então não é prático nem fácil pedir para eles não me procurarem após as 13h, mesmo se eu pudesse convencer meu empregador a isso.

O dia de trabalho de oito horas desenvolvido durante a revolução industrial, na Grã-Bretanha do século 19, foi feito como uma folga para trabalhadores de fábrica que estavam sendo explorados com dias de trabalhos de 14 ou 16 horas.

Com as tecnologias e métodos avançados, trabalhadores em todos os setores tornaram-se aptos a produzir muito mais valor e bem menos tempo. Você pode pensar que isso levaria a dias de trabalhos mais curtos.

Mas os dias de 8h de trabalho são também muito lucrativo para os negócios. Não por conta da quantidade de trabalho que as pessoas fazem em oito horas, já que a média de trabalho que funcionários de escritório fazem em 8 horas pode ser feita em menos de horas. Mas porque essa jornada de 8 horas faz um tipo de público “comprador de felicidade”.Mantendo escasso o tempo livre significa pessoas gastando um tanto a mais por conveniência, gratificação, e outro tipos de alívio que elas podem comprar. Isto as mantém assistindo televisão e seus comerciais. Isso as mantém “não-ambiciosas” fora do trabalho.

Nós temos sido levados em uma cultura que foi projetada para nos deixar cansados, famintos ou indulgentes, dispostos a pagar por um monte de conveniência e entretenimento, e o mais importante, vagamente insatisfeitos com nossas vidas, para que nós possamos continuar querendo coisas que nós não temos. Nós compramos muito porque sempre parece que algo está faltando.

Economias ocidentais, particularmente aquela dos Estados Unidos, tem sido construídas de uma forma bem calculada na gratificação, no vício e no gasto desnecessário. Nós gastamos para nos satisfazer, para nos recompensar para celebrar, para sanar problemas, para elevar nosso “status”, e para aliviar o tédio.

Você pode imaginar o que poderia acontecer se toda a “América” parace de comprar toda tranqueira que não tem adicionado nada de valor para as suas vidas?

A economia poderia colapsar e nunca mais se recuperar.

Todos os problemas bem divulgados da “América”, incluindo a obesidade, a depressão, a poluição e a corrupção são o que custa para criar e sustentar uma economia de trilhões de dólares. Para a economia ser “saudável”, a “América” precisa continuar insalubre. Pessoas saldáveis e felizes não sentem como se elas precisassem muito daquilo que elas não tem, e isso significa que elas não comprarão um monte de tranqueira, não precisarão de “tanto entretenimento”, e elas acabam não assistindo muitos comerciais.

A cultura do dia de trabalho com 8h é a mais poderosa ferramenta dos grandes negócios, para amnter as pessoas no mesmo estado de insatisfação
em que a resposta para cada problema é comprar alguma coisa.

Você já deve ter ouvido da Lei de Parkinson. Ela é usada em referência ao uso do tempo: quanto mais tempo você dedica-se a fazer uma coisa, mais tempo irá tomar para fazê-la. É maravilhoso o quanto você pode fazer em vinte minutos se vinte minutos é tudo o que você tem.  Mas se você tem toda a tarde, você provavelmente vai pegar o caminho mais longo.

A maioria de nós trata o dinheiro desta forma. Quanto mais nós ganhamos, mais nós gastamos. Não é porque, de repente, precisamos comprar mais porque nós ganhamos mais, é somente porque nós podemos, que nós gastamos.Na verdade, é muito difícil para nós evitar aumentar o nosso padrão de vida (ou ao menos da nossa taxa de gastos) toda vez que nós ganhamos um aumento.

Eu não penso que é necessário banir todo este horrível sistema e ir viver na floresta, pretendendo ser um surdo-mudo, Holden Caulfield muitas vezes fantasiou. Mas nõs certamente podemos fazemos bem em entender o que o grande comércio realmente quer que sejamos. Eles tem trabalhado por décadas para criar milhões de consumidores ideais, e eles tem sido bem sucedidos. A menos que você seja uma anomalia real, seu estilo de vida também já foi projetado.

O consumidor perfeito é insatisfeito mas esperançoso, desinteressado em um desenvolvimento pessoal sério, altamente habituado com a televisão, trabalha em tempo integral, ganha um salário razoável, entregando-se durante o seu tempo livre, e de alguma maneira apenas sendo levado.

Este é você?

Duas semanas atrás eu poderia ter dito “inferno, não!, isto não é comigo”, mas se todos minhas semanas forem como esta foi, então poderia ser uma ilusão.

Tradução

  • Claudio Lente

Titulo Original

  • Your Lifestyle Has Already Been Designed (The Real Reason For The Forty-Hour Workweek)

Fontes

Notas de Tradução

  • workday, foi traduzido muitas vezes como “dia de trabalho”.
  • spend foi traduzido como gastar, pagar.
Anúncios